Home Tailandês que foi considerado ‘morto’ por 25 anos consegue provar que está vivo

Tailandês que foi considerado ‘morto’ por 25 anos consegue provar que está vivo

de admin
Ong-art Boonyarit conseguiu uma nova carteira de identidade após quase 25 anos

Ong-art Boonyarit conseguiu uma nova carteira de identidade após quase 25 anos Reprodução One News

O tailandês Ong-art Boonyarit conseguiu obter, finalmente, uma nova carteira de identidade na última terça-feira (26) após ser considerado morto por engano durante quase 25 anos. 

O caso começou em 2013, quando ele queria obter uma nova via do documento. O pedido, porém, foi negado por um motivo difícil de imaginar: disseram que o homem estava morto há mais de duas décadas. 

Segundo os registros, a morte ocorreu no Instituto Central do Tórax da Tailândia por causa de uma inflamação pulmonar em 5 de novembro de 1997. 

O pedido de certidão de óbito para alguém chamado Ong-art Boonyarit havia sido apresentado por um homem chamado Chuchart Detkla e, não suficiente, um funeral foi realizado em Wat Mahabut, em Bangkok, em 6 de novembro do mesmo ano do suposto falecimento.

Apesar de Boonyarit dizer que não conhecia Chuchart, segundo informações do Bangkok Post, como não tinha uma identidade, o tailandês perdeu todos os seus direitos como cidadão, incluindo seus benefícios sociais e pensão.

O problema, porém, foi identificado. Outro homem, com o mesmo nome, havia morrido e a papelada inicial do falecimento do xará foi enviada com a seção do número de identificação em branco. Em razão disso, os dados de Boonyarit foram inseridos no sistema, desencadeando a confusão. 

Após ser forçado a enviar seus dados a um órgão governamental diferente, ele finalmente conseguiu que uma investigação sobre o caso.

Só nove anos depois, no último sábado (24), as autoridades visitaram sua casa para examinar arquivos, obter informações de parentes e combiná-las com a identidade dele.

Além do documento, Boonyarit também recebeu todos os benefícios de ser um cidadão vivo portador de carteira de identidade.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques

 

Envie um Comentário